2012/12/16

Natal, de todos os portugueses.


As promessas de uns estão a sair-nos bem caro!...
Aqueles que hoje, vivem com os rendimentos de outros, devem por a mão na consciência.
Foi convidado a fazer voluntariado este fim-de-semana pela empresa onde trabalho, da qual agradeço desde já. Pois achei que estas instituições como por exemplo: Associação Comunidade vida e paz da qual fiquei orgulhoso pelo trabalho que eles prestam a comunidade, e a quem mais precisa de auxilio, e de louvar. Ao longo do ano ninguém nos da nada, fazem apenas promessas.
É nesta época natalícias todas se lembram uns dos outros, as famílias convivem mais uns com os outros, mas não deixamos de pensar nas promessas dos que se consideram donos dos outros. Prometer é fácil, vejamos o que a acontece quando nos tiram o tapete dos pés, redução de freguesias e de património Municipal, os interesseiros vem logo dizer mal dos outros, deixam os outros para outros patamares. Na freguesia onde moro, já lá vão uns longos anos e não vi a freguesia desenvolver-se a nível empresarial, reparo até que temos sido, poucos produtivos, no desenvolvimento local. O meio para arruinar um país é dar o poder aos demagogos.
O que eu acho e que esta freguesia tem muitos recursos humanos, mal aproveitados no incentivo ao emprego e ao empreendedorismo. Não é dando apoio social que estas ou outras áreas vão ter sucesso na vida. Eu entendo que as juntas devem ter um papel, pró activo para com as pessoas e as instituições de
solidariedade fazer o trabalho que lhe cabe, como por exemplo: o que  a Santa Casa da Misericórdia faz e outras.
A todos um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo. Esperando que estes ou outros governantes, não nos façam passar o que temos vindo a passar ao longo destes anos, desde 1974 vergonha nacional, se reparamos quem nos tem governado são ex. Salazaristas.

2012/10/27

Com o Outono chegam as castanhas assadas

O Magusto é uma festa popular, as formas de celebração divergem um pouco consoante as tradições regionais. Grupos de amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde se assam as castanhas para comer, bebe-se a jeropiga, água-pé ou vinho novo, fazem-se brincadeiras, as pessoas enfarruscam-se com as cinzas, cantam-se cantigas. O magusto realiza-se em datas festivas: no dia de São Simão, no dia de Todos-os-Santos ou no dia São Martinho. 
Diz a lenda que Martinho, nascido na Hungria em 316, era um soldado. Era filho de um soldado romano. O seu nome foi-lhe dado em homenagem a Marte, o Deus da Guerra e protector dos soldados. Aos 15 anos vai para Pavia (Itália). Em França abraçou a vida sacerdotal, sendo famoso como pregador. Foi bispo de Tous. Certo dia de Novembro, muito frio e chuvoso, estando em França ao serviço do Imperador, ia Martinho no seu cavalo a caminho da cidade de Amiens quando, de repente, começou uma terrível tempestade. A certa altura surgiu à beira da estrada um pobre homem a pedir esmola. Como nada tivesse, Martinho, sem hesitar, pegou na espada e cortou a sua capa de soldado ao meio, dando uma das metades ao pobre para que este se protegesse do frio.. Quando se preparava para seguir viagem, a chuva parou de cair, as nuvens fugiram e o sol começou a brilhar. Assim ficou o tempo durante três dias. Diz-se que foi recompensa divina. A tradição mantém-se e por isso se fala do Verão de São Martinho, para lembrar que as boas acções não se devem esquecer.
Daí que esperemos, todos os anos, o Verão de S. Martinho. E a verdade é que S. Martinho raramente nos decepciona. Em sua homenagem, comemoramos o dia 11 Novembro com as primeiras castanhas do ano, acompanhadas de vinho novo. É o Magusto, que faz parte das tradições do nosso país
Algumas autarquias não valorizam os Castanheiros, nos espaços públicos, reflectindo-se nas podas bárbaras e na ligeireza com que se desfazem de algumas de grande porte a pretexto de uma requalificação, a maioria das cabeças não suportam a ideia de preservação do património arbóreo nos espaços públicos.
No dia de S. Martinho, mata o teu porco, chega-te ao lume, assa castanhas e prova o teu vinho

2012/10/19

Apoiar quem mais percisa, na agricultura

Aos Habitantes da Freguesia de MARVILA, alguns anos atrás começaram por cultivar terrenos, pertencentes a CML existe uma grande áreas dispersa nesta freguesia. Todos sabemos que as más práticas acabam sempre por ter um fim é disso mesmo que vos quero falar…Nesse sentido não queria ver  o que  aconteceu nos terrenos anexo a escola 2 + 3 de Marvila no bairro dos alfinetes, foram demolidos. E  não devem deitar abaixo só por prazer, e pelo mau aspecto que dá a esta freguesia. Penso que a CML devia proibir vedações de madeira. No entanto relembro que é da terra que vivemos, tenham isso em consideração. Falar com as associações de moradores e com moradores. A CML tem direitos mas também tem deveres esse que no meu entender escasseia. Assim como a comunicação social que só diz e não desdiz, por exemplo muitos, não querem trabalhar, viveram e vivem as custas de todos nós. Horta.  Deixem os moradores cultivar, cebolas, cenouras, couves batatas e hortelã, Feijão batatas, pimentos, tomates alho, falem com quem conhece a realidades, não destruam a felicidade de algumas pessoas, que vivem
deste rendimento. Tendo em consideração os tempos que correm, com muito desemprego.  Marvila tem uma área de terreno (vazio) como poucas freguesias tem. Se a coisa que não defendo,  são maus comportamentos e faltas de respeito. Sendo que ainda temos espaços expectantes onde se pode e deve plantar arvores que tanta falta, faz repito isto porque já o tenho dito por várias vezes, os responsáveis ficam a olhar como se nada fosse.
Tenho pena que se transformou um País  em dividas, onde devíamos era transformar em sabedoria e riquezas.

2012/10/14

Enquanto ser Humano e dirigente associativo

O Associativismo numa freguesia têm um grande valor para o desenvolvimento local, nele reside a força da cultura e do crescimento da freguesia.
No entanto só com um diálogo assertivo se consegue a articulação entre as associações e o poder local e entre as próprias associações. Se do ponto de vista teórico esta articulação é facilitada pelas partes, na pratica ela torna-se um jogo constante pela vulnerabilidade das partes quanto as suas responsabilidades e necessidades. A vida associativa é uma vida com um sentido e uma intencionalidade ética, para um caminho no agir, vivendo plenamente a cidadania. Associação, e um sentido amplo, é qualquer iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou outras sociedades com objectivos, visando superar dificuldades e gerar benefícios para os seus associados. Formalmente, qualquer que seja o tipo de associação ou seu objectivo podemos dizer que a associação é uma forma de legalizar a união de pessoas em torno de seus interesses e que sua constituição permite a construção de condições maiores e melhores do que as que os indivíduos teriam isoladamente para a realização dos seus objectivos.
A associação então, é a forma mais básica para se organizar um grupo de pessoas para a realização de objectivos comuns. Esquematicamente podemos representar as associações como sendo: assumindo os princípios de uma doutrina que se chama associativismo e que expressa a crença de que juntos, nós podemos encontrar soluções melhores para os conflitos que a vida em sociedade nos apresenta.
Esses princípios são reconhecidos no mundo todo, as várias formas que as associações podem assumir: cooperativas, sindicatos, fundações, organizações sociais, clubes. O que irá diferenciar a forma de cada tipo de associação é basicamente os objectivos que se pretende alcançar. Os princípios gerais são os seguintes.  As associações são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de sócio, sem discriminação social, racial, política, religiosa e de género. As associações são organizações democráticas, controladas por seus sócios, que participam activamente no estabelecimento de suas políticas e na tomada de decisões. Homens e mulheres, eleitos como representantes, são responsáveis para com os sócios. Os sócios contribuem de forma equitativa e controlam democraticamente as suas associações.
Os sócios destinam eventual  uma supervisão  para os seus objectivos, através de deliberação em assembleia geral. As associações são organizações autónomas de ajuda mútua, controladas por seus membros. Entrando em acordo operacional com outras entidades, inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, devem fazê-lo de forma a preservar seu controle democrático pelos sócios e manter sua autonomia. As associações devem proporcionar educação e formação aos sócios, dirigentes eleitos e administradores, de modo a contribuir efectivamente para o seu desenvolvimento.
Eles deverão informar o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião, sobre a natureza e os benefícios da cooperação. As associações atendem aos seus sócios mais efectivamente e fortalecem o movimento associativista trabalhando juntas, através de estruturas locais, nacionais, regionais e internacionais. As associações trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades, municípios, regiões, estados e país através de políticas aprovadas pelos seus membros. De modo geral as associações caracterizam-se por. Reunião de duas ou mais pessoas para a realização de objectivos. Seu património é constituído pela contribuição dos associados, por doações, subvenções etc. Seus fins podem ser alterados pelos associados. Os seus associados deliberam livremente. São entidades do direito privado e não público. Enquanto presidente de uma Associação, que no desenvolvido do exercício das minhas competências a manutenção do carácter democrático, assente nas regras da representatividade, defendo sempre  a autonomia e o valor do associativismo.
Enfim sempre muito perto dos associados e dirigentes associativos, a quem prontamente sempre que posso ajudo no desenvolvimento das minhas funções. Pois, muitas vezes a falta de linearidade e conhecimento por parte do associativismo em geral das regras de funcionamento do poder local dificulta o diálogo. Uma vez que é necessário uma análise meticulosa e um levantamento de necessidades rigoroso. O fazer bem sem olhar a quem, exige um olhar rigoroso para que se trabalhe  sendo justo em igualdade de oportunidades.
A minha acção prática tratasse por uma informação, administrativa, contabilística e de bom senso na repartição igual das partes. A promoção de reuniões onde todas as partes se fazem representar ajuda neste processo. As visitas constantes as sedes sociais também ajudaram no relacionamento das partes, e a observar as reais necessidades.Com alguma frequência eu organizo também encontros informais que estreitam os laços entre as diversas associações e associados, contribuindo desta forma para o fortalecimento de uma rede de social coesa. Maior da cívica participação de forma assegurada são de cidadãos e de associados tenham o direito do exercício através do apoio social, recreativas, culturais, desportivas. É inquestionável que as associações promovem a integração social e assumem um papel determinante na promoção da cultura, do desporto, na área social, substituindo a própria intervenção do Estado. Porém, há cada vez maiores dificuldades para levar as pessoas a participar na vida associativa. Trabalhar por carolice não é fácil e muitos não querem assumir responsabilidades. A verdade é que a prática associativa assenta na vontade dos indivíduos, sendo uma emergência social que não pode ser lida fora do seu contexto é a sociedade em que vivemos e porque não se tratar de um fenómeno de geração espontânea, releva da vontade de uns tantos que tenazmente se opõem à corrente. E os exemplos são mais que muitos. Acontece, porém, que como em tudo na vida, há que vencer a resistência à mudança, logo o associativismo requer aprendizagem, treino, interiorização de uma postura de partilha, sendo também entendido como uma questão cultural. Não esquecendo as dificuldades financeiras em todos as acções temos.
Por fim, gostaria de dizer que a minha disponibilidade de diálogo franco e justo, será sempre a favor do associativismo, e da liberdade de expressão de cada um, vivemos em Democracia.

2012/07/20

A Globalidade nas Juntas de Freguesias


Em Portugal, entre 1836 e 1976, o REGEDOR era um funcionário público que representava a 
administração central junto de cada freguesia. No 25 de Abril de 1974 houve uma revolução que acabou com a ditadura, e começou com novos cargos e competências, nas juntas de freguesia para justificarem a sua existência, Com a ditadura acabaram também vários cargos públicos. O Regedor foi um dos cargos que desapareceu.Quem desempenhava este cargo era o responsável por tudo que se passava na Freguesia. O Regedor fazia de testemunha, de juiz, e a sua palavra valia mais do que um documento. A única regalia do Regedor era poder deixar os filhos estudarem no Colégio dos Pupilos do Exército de forma gratuita, pois o regedor não tinha remuneração alguma. É sabido que as Juntas de Freguesia são dos órgãos mais anacrónicos e inúteis de Portugal, em particular nas cidades. Os seus custos e número de funcionários nunca parou de aumentar. As Freguesias são um exemplo paradigmático do enorme desvario e irracionalidade do sistema autárquico, mas o número de funcionários das Juntas, pelo contrário, nunca parou de aumentar. Apesar deste aumento no número de funcionários, a Junta passou a contratar regularmente todo o tipo de serviços externos. As mordomias dos membros da Junta foram-se tornando cada vez mais dispendiosas. Encargos que são pagos pelas actuais gerações, mas também irão recair sobre as futuras gerações de Portugal. Temos aqui, numa pequena escala a explicação para o facto da CML estar completamente falida, e o país estar à beira da bancarrota.
 Trabalho das associações e clubes desportivos
Ausência de avaliação das actividades desenvolvidas pelos clubes/associações; Critérios de atribuição de subsídios; Poucas ou nenhumas, acções de formação para directores e agentes  desportivos; Poucos incentivos para os atletas que se distinguem nas diversas modalidades amadoras; Pouca divulgação reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos clubes/associações, seus atletas e dirigentes; Falta de enquadramento para os torneios; Degradação e falta de outras valências nos parques radical; Criação do Gabinete de Desporto; Criação das Escolas municipais; Implementação da Educação Física no 1º ciclo; (com dinheiros do poder local) A introdução do desporto sénior; As férias desportivas; O apoio médico aos atletas amadores; A realização de provas em datas comemorativas; Um projecto integrado de planificação relativo à construção e requalificação de parques desportivos; Falta de um projecto em rede, com as áreas da educação, acção social , ambiental e outras; Definição de uma política desportiva pouco perceptível pelos cidadãos; Falta de avaliação entre o investimento e a relação quantidade, qualidade, e bem-estar e saúde; Falta de um órgão de coordenação da política desportiva; Falta de regras de financiamento sustentadas em critérios de qualidade e de aferição; Saúde Bem-estar Melhoria da competição e da formação Ensino Cultura Clubes, etc. Lazer Recreação. Todos à medida de cada um. Objectivos estratégicos Aumentar o número de praticantes de Actividade Física e Desportiva; Fomentar o aparecimento de novas opções; Consolidar e apoiar o trabalho dos clubes/associações existentes; Promover uma contínua e sistemática formação dos diversos agentes desportivos (treinadores, árbitros, dirigentes, etc.);Fomentar um contínuo aumento da qualidade do nosso desporto, elevando os índices competitivos dos nossos clubes a nível regional e nacional; Proporcionar relativa independência financeira; Realizar festivais de promoção das diferentes actividades desportivas; Qualificar e organizar os quadros competitivos; Investir na Saúde e Bem-Estar de todos; Criar um projecto em rede, sobretudo com as áreas da educação, acção social, ambiental e turismo; Pôr em funcionamento o Conselho Municipal de Desporto; Definir um plano de construção e requalificação dos parques gimnodesportivo a Educação Física e Desportiva no pré-escolar, 1º ciclo, jovens, adultos, 3ª idade não esquecendo as pessoas, com deficiência; Promover a formação desportiva; Aumentar o rácio de atletas do concelho nos clubes; Promover torneios desportivos; Promover eventos desportivos de relevo para os concelhos. Instituição de solidariedade O que são Instituições Particulares de Solidariedade Social e quais os seus objectivos? Têm por finalidade o exercício da acção social na prevenção e apoio nas diversas situações de fragilidade, exclusão ou carência humana, promovendo a inclusão e a integração social, desenvolvendo para tal, diversas actividades de apoio a crianças e jovens, à família, juventude, terceira idade, invalidez e, em geral, a toda a população necessitada.
Como contribuir para a qualidade de vida?  Ser voluntário, pessoas com mais de 21 anos de idade. Ajudar materialmente, ou seja doar materiais lúdicos e didácticos em bom estado.
 Ser sócio. Concluímos que as associações são fundamentais não só para ajudar os mais
necessitados, como também para incentivar as pessoas nesta ajuda.
Sendo que as associações, e clubes desportivos se encontraram abertos aos fim-de-semana e feriados, e as que são remuneradas fecham aos fim-de-semana e feriados, será que os pobres não comem aos  fim-de-semana e feriados?

2012/06/22

Marvila Olímpica




Quero dar os Parabéns ao executivo da Junta de freguesia de Marvila, por mais uma iniciativa em que os Marvilenses ficaram mais uma vez contentes. Vi com muito agrado muitas das associações e clubes desportivos muito bem representados, encheu-me de orgulho ao ver um desfile de pessoas pelas ruas de Marvila , em direcção ao Clube Oriental de Lisboa, onde foi feito uma homenagem a todos os participantes e público. Mais um orgulho ver a actuação da Marcha de Marvila mais um bom exemplo que tem vindo a dar a esta freguesia. Ter uma Marcha que nos tem representado muito bem  com apoio  da C M L. O P.S.D baixa as calças, perante o P.S como ficou bem patente em Marvila Olímpica uma iniciativa do executivo P.S de Marvila. Marvila é aparentemente representada por alguém que de competência pouca ou nenhuma tem !!
Será assim também na assembleia de freguesia, dar os votos ao P.S? 
Um Homem que se faz representar por uma associação, (ACOF) valha-nos Satanás: Isto é o P. S .D que se faz representar em Marvila uma das maiores freguesias de Lisboa! Marvila precisa de melhorar, como esta bem patente na criação da loja do cidadão, na Avenida São Contestável nas instalações do pingo doce. 
E com estes exemplos, que Marvila precisa de crescer e não com promessas, que ao longo dos anos se tem vindo a verificar-se, com a promessa do Hospitais todos os Santos e com o I P O. Sendo que outros trabalhos, que se tem realizado na freguesia são bem patentes em outras instituições, que dão apoio aos moradores e aos carenciados e reformados. O trabalho que a Gebalis EMM, tem vindo a fazer, desde 1995, não tem sido reconhecido pelas Juntas de freguesia onde a mesma presta serviços a população, na requalificação dos bairros, no edificado, e  na  solidariedade  social, pois sem o apoio da C.M.L esta instituição não poderia apoiar os moradores, da forma como o tem feito.
Um exemplo, foi abertura da loja do cidadão em Marvila, vem valorizar a freguesia e outras instituições que tem responsabilidade como é o caso da RPT 1 que poucos passos tem dado para divulgação e promover, esta freguesia onde os mesmos estão implantados. Como morador e cidadão, desta freguesia desde há muitos anos gostava de ver, Marvila diferente como por exemplo: A promoção de emprego, criação do mesmo para fixar pessoas oriundas de outras freguesias. Ajudar promotores de inventos que possam valorizar esta freguesia, que tem um défice de desemprego muito elevado. Lamentavelmente pararam com a Linha de alta velocidade e a terceira via Barreiro, Marvila, onde valorizava a freguesia, pois no meu entender além de promover vinha dar um maior desenvolvimento e criação de riqueza, pois eu entendo que sem desenvolvimento não há riqueza.
Também aqui lamento, pelo facto da C.M.L em conjunto com a policia de segurança pública, não intervirem na vinda de tractores para esta freguesia, pois os mesmos estacionam em curvas e em passadeiras de peões, sem que as autoridades nada fazem, pois é bem patente .Tenho conhecimento de pessoas que se dirigem ao posto da P.S.P lamentando-se da não visualidade nas ruas. 
Sei que o assunto acarreta grandes despesas para o município, na criação de um parque de estacionamento para os mesmos que é um direito que lhes assiste, pois o patronato paga os impostos para ser servido.
 


2012/06/01

A Sociedade e a Politica


O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis. Que nada nos limites. Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja  a nossa própria substancia.  Este é um tema bastante difícil e profundo para ser tratado com rapidez. Vivemos hoje em um momento em que a política é questionada, pois, ela é sistematicamente confundida com as acções dos políticos profissionais, principalmente, pelos maus políticos. O que é política.  é o título de um livro contendo a ideia de política da pensadora e filosofa alemã Hannah Arendt. Na verdade são fragmentos de sua obra publicados postumamente. Hannah Arendt é considerada uma das maiores pensadoras desde século e seu trabalho sobre as Origens do Totalitarismo é considerado uma obra clássica e definitiva sobre o assunto. Além disso, é uma das maiores autoridades em relação ao estudo da política na Grécia e Roma antiga. Por isso, recomendamos a leitura desta autora. Alertamos que Hannah Arendt não é uma leitura fácil, mas é imprescindível para entendermos melhor o assunto. Vejamos, então, como ela discute a questão. Para Hannah Arendt "O sentido da política é a liberdade". Segundo ela, a ideia de política e de coisa pública surge pela primeira vez na polis grega considerada o berço da democracia. O conceito de política que conhecemos nasceu na cidade grega de Atenas e está intimamente ligado à ideia de liberdade que para o grego era a própria razão de viver. Utilizando o conceito grego de política é que Arendt nos diz que "A política baseia-se no fato da pluralidade dos homens", portanto, ela deve organizar e regular o convívio dos diferentes e não dos iguais. Para os antigos gregos não havia distinção entre política e liberdade e as duas estavam associadas à capacidade do homem de agir, de agir em público que era o local original do político. O homem moderno não consegue pensar desta maneira pelas desilusões em relação ao político profissional e a actuação desse no poder. Porém, Arendt, judia, que viveu os horrores da Segunda Guerra Mundial, acreditava na acção do homem e na sua capacidade de "fazer o improvável e o incalculável. Vejamos o que diz Hannah Arendt. A política, assim aprendeu, é algo como uma necessidade imperiosa para a vida humana e, na verdade, tanto para a vida do indivíduo maior para a sociedade. Como o homem não é autárquico, porém depende de outros em sua existência, precisa haver um provimento da vida relativo a todos, sem o qual não seria possível justamente o convívio. Tarefa e objectivo da política é a garantia da vida no sentido mais amplo. Para ela, a tarefa da política esta directamente relacionada com a grande aspiração do homem moderno: a busca da felicidade. Não é fácil discutir a questão da política nos dias de hoje. Estamos carregados de desconfianças em relação aos homens do poder. Porém, o homem é um ser essencialmente político. Todas as nossas acções são políticas e motivadas por decisões ideológicas. Tudo que fazemos na vida tem consequências e somos responsáveis por nossa acções. A omissão, em qualquer aspecto da vida, significa deixar que os outros escolham por nós. Nossa acção política está presente em todos os momentos da vida, seja nos aspecto privado ou público. Vivemos com a família, relacionamos com as pessoas no bairro, na escola, somos parte integrantes da cidade, pertencemos a um Estado e País, influímos em tudo o que acontece em nossa volta. Podemos jogar lixo nas ruas ou não, podemos participar da associação do nosso bairro ou fazer parte de uma pastoral ou trabalhar com voluntário em uma causa em que acreditamos. Podemos votar em um político corrupto ou votar num bom político, precisamos conhecer melhor propostas, discursos e acções dos políticos que nos representam. Não podemos confundir que política é simplesmente o ato de votar. Estamos fazendo política como tomamos atitudes em nosso trabalho, quando estamos conversando em uma mesa de bar ou quando estamos bebendo uma cervejinha após uma "pelada" de futebol. Estamos fazendo política quando exigimos nossos direitos de consumidor, quando nos indignamos ao vermos nossas crianças fora das escolas sendo massacradas nas ruas ou nas "Febens" da vida. Conhecemos o Estatuto da Criança e do Adolescente?  
ou o Código do Consumidor?, a nossa Constituição, nem pensar e grande demais. E que dizer das leis transito que estamos a todo momento desrespeitando. A política está presente quotidianamente em nossas vidas: na luta das mulheres contra uma sociedade machista que discrimina e age com violência; na luta dos portadores de necessidade especiais para pertencerem de fato à sociedade; na luta dos negros discriminados pela nossa cordialidade; dos homossexuais igualmente discriminados e desrespeitados; dos índios massacrados e exterminados nos 500 anos de nossa história; dos jovens que chegam ao mercado de trabalho saturado com de milhões de desempregados; na luta de milhões de trabalhadores sem terra num país de latifúndios; enfim, na luta de todas as minorias por uma sociedade inclusiva que se somarmos constituem a maioria da população. Atitudes e omissões fazem parte de nossa acção política perante a vida. Somos responsáveis politicamente (no sentido grego da palavra) pela luta por justiça social e uma sociedade verdadeiramente democrática e para todos. O medo de sofrer é pior do que o próprio sofrimento. E nenhum coração jamais sofreu quando foi em busca de seus sonhosUma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que o seu caminho é o único.  Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e renúncia. Quando alguém encontra seu caminho, precisa ter coragem suficiente para dar passos errados. As decepções, as derrotas, o desânimo são ferramentas que Deus utiliza para mostrar a estrada. Quem conhece a felicidade não consegue mais aceitar humildemente a tristeza. É preciso correr riscos, seguir certos caminhos e abandonar outros. Nenhuma pessoa é capaz de escolher sem medoÀs vezes um acontecimento sem importância é capaz de transformar toda a beleza em um momento de angústia. Insistimos em ver o cisco no olho, e esquecemos as montanhas, os campos e as oliveiras. O verdadeiro caminho da sabedoria pode ser identificado por apenas três coisas: precisa ter amor, deve ser prático, e pode ser trilhado por qualquer um.Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe. Que nada nos limites. Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja  a nossa própria substancia. O amor é a única coisa que cresce à medida que se reparte. A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não dá, nas forças que não usamos,  na prudência egoísta que nada arrisca e que,  esquivando-se do sofrimento, também perde a felicidade. Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado. 
Mas nada pode ser modificado até que seja enfrentado. Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos,  mas também pelo que deixamos de fazer. Não digamos não, nem 'nunca mais. Não digamos sempre ou jamais. Digamos, simplesmente:  ainda. Ainda nos veremos um dia. Ainda nos encontraremos na estrada da vida. Ainda encontraremos a pousada, o afecto almejado, a guarida. Ainda haverá tempo de amar, sem medo, totalmente. Infinitamente. Sem ter medo de pedir, de implorar, ou chorar. Ainda haverá tempo, para ser feliz novamente. Ainda haverá tristeza, ainda haverá saudade, ainda haverá primavera, o sonho, a quimera. Ainda haverá alegria, apesar das cicatrizes. Ainda haverá esperança, porque a vida ainda é criança, e amanhã será outro dia.
x

2012/05/30

Bons tempos mas difíceis.



Velho burocrata, meu amigo aqui presente, nunca houve quem te ajudasse a evadir-te, e a culpa não é tua. Edificaste a tua paz, à força de tapares com cimento, como as térmitas, todas as saídas para a luz. Rebolaste-te na tua segurança burguesa, nas tuas rotinas, nos ritos asfixiantes da tua vida provinciana; ergueste essa humilde muralha contra os ventos, contra as marés, contra as estrelas. Não queres a inquietação dos grandes problemas e muito te esforçaste por esquecer a tua condição de homem. Não és o habitante de um planeta errante, não te pões questões sem resposta tu és um pequeno burguês de Toulouse. Ninguém te sacudiu pelos ombros quando era tempo ainda. Agora, a argila de que és formado secou, e endureceu, e ninguém seria capaz, de futuro, de acordar em ti o músico adormecido, ou o poeta, ou o astrónomo, que talvez te habitasse de início.Sendo superior, nunca repreendas ninguém com ira, mas só depois de ela passar. Assim, a repreensão será mais proveitosa. A realização mútua dos nossos sonhos não é nenhum elemento básico do casamento, mas sim a valentia de aceitar sempre, de novo, uma pessoa que com o correr do tempo vai actuando de maneira diferente dos meus ideais. O que devemos quebrar, especialmente quando surge uma crise, não é o casamento, mas os nossos sonhos e ilusões irreais. O amor conjugal é, sem dúvida, um amor exclusivio, mas que abraça ao mesmo tempo toda a humanidade. É exclusiva na medida em que cada um se pode unir com toda a intensidade somente a uma pessoa. Mas quando amo verdadeiramente uma só pessoa, o coração torna-se grande e proporciona a faculdade de me dedicar a muitas mais. Uma pessoa necessita de toda uma vida para amadurecer. Requer a ajuda dos outros e, se está casada, especialmente a do seu cônjuge.
 O homem necessita do apoio da sua mulher, e a mulher do seu marido, para desenvolver todas as suas capacidades.A fidelidade, naturalmente, tem que ver com a sexualidade, mas não se limita a ela. Implica a aceitação de ambos em todas as dimensões da sua personalidade. Normalmente, a fidelidade está presente na vida matrimonial quotidiana de uma maneira calada e pouco visível, consistindo numa constância tanto nos bons tempos como nos difíceis. É preciso a ajuda do outro, sobretudo face à monotonia diária que pode consistir nas obrigações familiares e profissionais. Mas também se requer quando se fracassa, se duvida de si mesmo ou por acaso se falhou. “Sê solidário com os teus amigos, sobretudo quando são culpados”, diz um provérbio francês. Quando alguém está prestes a cair no mais fundo da miséria, não é precisamente o parceiro aquele que, em primeiro lugar, deve lutar para ir com ele?
Não preciso de amigos que mudem quando eu mudo e concordem quando eu concordo. A minha sombra faz isso muito melhor. Quando vires um gigante, repara bem na posição do sol, não vá acontecer que se trate da sombra de um pigmeu. 
Quando vires um homem bom, tenta imitá-lo; quando vires um homem mau, examina-te a ti mesmo. É urgente repetir isto até que seja entendido: a fraternidade, o amor, a entrega, não são bens de acréscimo para o homem ser santo ou perfeito. São a essência do homem. O homem como indivíduo solitário não é homem. O homem só é homem quando vive em comunidade e para a comunidade. Quando serve a alguém. Quando ama alguém. Só então é que nasce como ser humano.

2012/05/29

O SER HUMANO E AS SUAS VIRTUDES


Com que frase te identificas mais? A felicidade não é o lugar onde chegamos, mas sim uma maneira de viajar.O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo. Tenta não te tornar numa pessoa de sucesso mas sim numa pessoa com valor. O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. A minha missão não é julgar o que é justo ou injusto é apenas ajudar. Quereis conhecer um homem. Dai-lhe um grande poder. Não há solidão mais triste do que um homem sem amigos. Sem eles o mundo é um deserto. As flores não nascem sem o calor do Sol. Também os homens precisam da amizade para viver. O ódio é uma tendência a aproveitar todas as ocasiões para fazer mal aos outros. De punhos cerrados, não se pode apertar a mão a ninguém. Ser leal a si mesmo é a única maneira de conseguir ser leal aos outros. Dar é o verbo mais curto da primeira conjugação. Não dar é o mais barato. Leve é o trabalho quando repartido por todos. Todos os homens são donos da sua riqueza. O avarento é escravo da sua.  Um homem que se ocupa em demasia de si mesmo não tem tempo de conhecer os outros. A confiança na bondade dos outros é testemunho não pequeno da própria bondade. A virtude do homem não se mede pelos seus esforços, mas pelo comportamento ordinário.  Infelizes os homens que têm todas as ideias claras. A melhor ajuda para percorrer a vida é um grande sentido do dever e profundas afeições. Se semeias o amor em ti, só amor serão os frutos.  Os mais soberbos na prosperidade são os mais débeis na adversidade. Não fales da tua felicidade a quem não for tão feliz como tu.  Estar em paz consigo próprio é o princípio certo para estar em paz com os outros.  Cada fracasso ensina ao homem algo que ele necessita de aprender.  Sê paciente com todo o mundo, mas acima de tudo contigo próprio.  Sê como a árvore do sândalo, que perfuma até o machado que a corta. A única pessoa que pode mudar de opinião é aquela que tem alguma. Quem se irrita com as críticas está a reconhecer que as merece. Todo o trabalho tem em si mesmo a sua misteriosa recompensa.  Não me digas o muito que trabalhas; fala-me antes do muito que fazes.  O caminho mais curto para conseguir fazer muitas coisas é fazer uma de cada vez. A vida é fascinante. O que é preciso é vê-la com os óculos certos. O desespero consiste em imaginar que a vida não tem sentido. As pessoas equivocadas parecem falar mais alto que os outros.  Jamais existiu uma guerra boa ou uma paz má.  Errar é próprio do homem. Persistir no erro é próprio dos loucos.
Todo o mundo quer chegar a velho, mas ninguém quer sê-lo. A vida dos mortos perdura na memória dos vivos. Muitas vezes a inocência mais do que uma virtude é uma felicidade. Nunca se vai tão longe como quando não se sabe para onde se vai.  Diz-se que a vida é curta, mas pode-se fazer muita coisa se se souber aproveitá-la.  Uma das primeiras virtudes sociais é tolerar aos outros aquilo que devemos proibir a nós mesmos.  Há quem gaste a vida toda a organizar a vida. A vida foi-nos dada, mas só a merecemos se a dermos. Pelos defeitos dos outros o sábio corrige os seus.  Pobre não é quem tem pouco, mas quem deseja muito. O amigo certo conhece-se na acção incerta. Amar consiste em fazer a felicidade dos outros.  No mundo há riqueza suficiente para satisfazer as necessidades de todos, mas não para alimentar a ganância de cada um. Fazer sofrer é a única maneira de errar. Ninguém caiu tão baixo que não possa ser levantado pelo amor. Onde há amor, nunca se faz noite. Quem não duvida não pode conhecer a verdade. A felicidade é como o sol, mas até o sol tem manchas. Desperdiçamos o dia em que não nos rimos ao menos uma vez. Viver para os outros é não só a lei do dever mas também a lei da felicidade.  Rir-se de tudo é próprio dos tolos; não se rir de nada é próprio dos estúpidos.  Só é digno da vida e da liberdade quem todos os dias se esforça por as conquistar.  Quem é escravo de seu corpo não é verdadeiramente livre.  Não há deserto como viver sem amigos. A amizade multiplica os bens e divide os males. As fidelidades que devemos ao nosso amigo é uma coisa sagrada que não permite a mais leve ironia. Meu amigo é quem me socorre não quem me lamenta.  É preciso saber olhar para os olhos de uma criança para saber o que vai na alma. O melhor investimento que um país pode fazer é nas suas crianças. Quem pensa nos sofrimentos da humanidade não tem tempo de pensar em si mesmo. Não esperes que o teu amigo venha contar-te as suas necessidades: ajuda-o antes. A verdadeira felicidade torna os homens cordiais e sensíveis e partilha-se sempre. A inveja e o ciúme não são vícios nem virtudes, mas penas. A suprema felicidade não é a recompensa da virtude, mas a virtude em si mesma. O homem ocupa-se a desejar em voz alta aquilo que jamais se esforça por alcançar. A guerra é a saída cobarde para os problemas da paz. A astúcia tem muitos vestidos; a verdade gosta de andar nua. A constância é a virtude pela qual as outras virtudes dão os seus frutos. Se queres formar um juízo acerca de um homem, vê quem são os seus amigos. Não se pode chegar à aurora senão pela vereda da noite. O dom das lágrimas é a característica mais nobre da espécie humana, imediatamente depois da palavra e antes do riso. Só os grandes homens têm exacta noção da sua pequenez. A meu ver, o melhor governo é aquele que deixa mais tempo à   gente em paz. O homem que se levanta é maior do que aquele que não caiu. Não aceito nem recuso nada de modo absoluto, mas consulto sempre as circunstâncias. Só dareis realmente muito quando derdes algo de vós mesmos. Os homens inteligentes querem aprender; os outros ensinar. 
A última e definitiva justiça é o perdão. Mais do que de críticos, os jovens necessitam de modelos. Não há homem tão sábio que não necessite do conselho de outrem. A beleza das coisas está no espírito de quem as contempla. O homem fraco teme a morte; o infeliz chama por ela o temerário provoca-a; o homem sensato espera-a. Muitos triunfariam nas coisas modestas, se não estivessem obcecados por grandes ambições. Enfeita de ouro as asas de uma ave e nunca mais voará no céu. O vento fala com a mesma força aos gigantescos robles e ás ervas mais insignificantes. Quando falares, procura que as tuas palavras sejam melhores que o silêncio. Antes de iniciares o trabalho de mudar o mundo, dá três voltas pela tua casa. A educação torna as pessoas fáceis de guiar, mas difíceis de arrastar; fáceis de governar, mas impossíveis de escravizar. Quando apontares um dedo, lembra-te de que há três dedos  virados para ti. É tentando o impossível que se realiza o possível. Quando o amigo permanece em silêncio, que o vosso coração não deixe de ouvir o seu coração. Na vida há algo pior que o fracasso: não ter tentado nada. A simplicidade é uma força que vence todas as astúcias. De que serve ao homem produzir cada vez mais, se não sabe partilhar o que produz. 
Reflecte com lentidão, mas executa rapidamente as tuas decisões. A nossa verdadeira nacionalidade é a humanidade.  Não é amigo quem se ri com as minhas graças, mas quem chora com as minhas lágrimas. O que sabemos é uma gota de água, o que ignoramos é um oceano. Quanto mais honrado um homem é, mais lhe custa suspeitar de que os outros não o sejam. A violência resulta do medo das ideias dos outros e da pouca força das próprias. A ciência será sempre uma busca e jamais uma descoberta.É uma viagem, nunca uma chegada. Se caíres sete vezes, levanta-te oito. A força não provém da capacidade corporal, mas da vontade férrea. Um oceano de génio vale menos do que uma gota de bondade. Há gente que possui a verdade no seu interior, mas não a traduz com palavras. A melhor forma de nos libertarmos de um problema é resolvê-lo.Na amizade, todos os pensamentos, desejos e esperanças nascem e partilham-se com alegria e sem alardes. O mais importante acto de fé não é só acreditar em Deus, mas acreditar que Deus acredita em mim. O homem justo não é o que não comete nenhuma injustiça, mas aquele que, podendo ser injusto, não o quer ser. Quem procura a verdade deve estar disposto a sacrificar tudo pela verdade. É mais importante a maneira de dar do que aquilo que se dá. Tenho dito

2012/04/23

Revolução dos Cravos

Não sou o quem tu procuras ou o que tu queres. Minha pergunta é bem difícil de ser respondida e mesmo que encontre algumas informações nada pode ser bem certo porque não sabemos nosso futuro É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos,  e como pequenas pedras que nos querem atirar, todos os dias pessoas que não se enxergam. O mundo vai ser sujo e poluído, as pessoas serão amargas, não terão flores, nem árvores nem água as pessoas brigarão por água, será triste, existirão poucas espécies de animais terão pouca vida, acho que será assim. Temos português no bem bom e outros a viver de caridade, 2012 que não tenha Homens que tanto mal fizeram a este País… um bom ano de 2012. Lembrem-se se ensinarem os filhos a roubar, mais tarde fazem o mesmo!! Como será a vida dos seres humanos daqui alguns anos 25 de Abril - Uma data de viragem para Portugal. O golpe de Estado do 25 de Abril de 1974, também conhecido como "Revolução dos Cravos", mudou completamente Portugal, pois libertou o país de uma ditadura que durava há mais de 40 anos! Por isso mesmo, esta data assumiu uma enorme importância para o povo português. É, no entanto, natural que o significado desta data não seja evidente para todos os cidadãos. Quem nasceu após o 25 de Abril de 1974 ou era ainda muito novo nessa altura sempre conheceu um Portugal livre e democrático. Mas o país nem sempre foi assim... Como era Portugal antes do 25 de Abril?? Imagina um país em que os cidadãos não são livres de dizer aquilo que pensam. Um país em que a imprensa, o cinema, o teatro, a literatura e outras formas de expressão cultural são controlados e sujeitos à censura, que determina o que é permitido ver, ler e escrever. Um país com um aparelho policial ( PIDE ) que castiga severamente aqueles que se opõem ao regime. Um país em que não estão garantidos os direitos à educação, à saúde, ao trabalho ou à habitação. Um país envolvido numa longa guerra colonial em Angola, na Guiné e em Moçambique. 
Assim era Portugal antes do 25 de Abril! O que aconteceu no dia 25 de Abril de 1974? Nesse dia, militares do MFA , descontentes com a governação do país e cansados da longa guerra colonial, revoltaram-se contra o regime ditatorial em que vivia Portugal e promoveram uma enorme viragem na História do país. Com a " Revolução dos Cravos ", restaurou-se a democracia e Portugal passou a conhecer o significado da palavra liberdade. A transmissão da canção "Grândola Vila Morena", de José Afonso, pelas 00 horas e 20 minutos na Rádio Renascença, serviu de sinal aos soldados: as operações militares tinham sido postas em marcha.A iniciativa militar teve desde logo o apoio da população, decisivo para a vitória do movimento. Após a ocupação de locais estratégicos (instalações da Rádio Televisão Portuguesa, da Rádio Clube Portuguesa, do Aeroporto de Lisboa, do Banco de Portugal e da Marconi), os militares cercaram o Quartel do Carmo onde se encontravam o presidente do Conselho Marcelo Caetano e dois ministros que acabaram por se render algumas horas.

2012/04/14

Actualidade da politica nos dias de hoje...


No essencial do tema da actualidade, concordo nos direitos e deveres. Não é correto andar a trabalhar uns e sustentar outros que nada fazem. Como no que toca as reformas e pensões, pois tudo tem limites, e tetos máximos, de ordenados todo abaixo do órgão de soberania de estado, pois só assim viveremos em democracia.(não a reformas chorudas,da segurança social ) Os partidos políticos são organizações sociais voluntárias, com carácter de permanência e duração razoável, que lutam pela aquisição e exercício do poder, através de meios legais e democráticos. Para quem defende os valores da liberdade e da democracia, estas organizações são importantes e merecedoras de todo o crédito, desde que estejam ao serviço da felicidade Nos últimos tempos, o povo tem vindo a demonstrar uma certa repugnância aos partidos e à actividade política. Isto assim acontece, porque os diferentes atores políticos não passam, muitas vezes, de simples marionetas de interesses obscuros e não enxergam que a política tem por objectivo a felicidade humana, como atesta a filosofia aristotélica. Aristóteles, o grande filósofo grego, entendia que a política é uma ciência, que se desdobra naturalmente em ética e política propriamente dita. Ambas, direccionadas à polis; a primeira deve estar preocupada com a felicidade individual do homem e a segunda com a felicidade colectiva. O objectivo principal das práticas políticas é a promoção do bem-estar dos cidadãos, da edificação e conservação de uma comunidade feliz. Todo o ato político devia estar centrado no ser humano. Esta atitude, que devia ser uma constante por parte dos agentes políticos, é só lembrada em períodos eleitorais. Atente-se ao que tantas vezes se verifica: políticos que fazem da construção de um chafariz, uma festa propagandística e, com muita vaidade, aparecem com uma foto sorridente estampada na comunicação social a saudarem o “seu” povo. Pouco mais fazem, com um vazio total de ideias e obras, nulos na resolução de crises, sem humildade para reconhecerem a sua incompetência e ignorância, acoplados a uma filosofia do rebanho, cercada de acólitos e máquinas déspotas propagadoras de guerras intestinas, esmagando e destruindo até os seus apaniguados. Há uma lógica perversa neste asqueroso estado de coisas: a promoção do compadrio, da incompetência, da corrupção, do desrespeito pelos elementares princípios da felicidade do cidadão. Alguns políticos, para além de mostrarem incapacidade para gerirem o que quer que seja, mostram-se mais preocupados com um futuro melhor para si, para os seus filhos, enteados, irmãos, sobrinhos, cunhados, afilhados, amigos e amigos dos amigos. Como a estupidez política não tem limite, alguns dos políticos até tentam ser simpáticos democratas e dão explicações cretinas, impregnadas de hipocrisia e ensinadelas nos seus delírios de vaidade, afirmando, obviamente com a boca cheia de mentiras, que os seus actos são praticados a favor da qualidade de vida dos cidadãos e do seu bem-estar, que são praticados em prol da felicidade de quem os elegeu. Que excelente seria, se sempre assim fosse, pois é para isso que é eleito. É de louvar os políticos honestos e competentes, que abraçam as causas e estão por missão na gestão dos bens públicos. A actividade política é altamente nobre, só que a desilusão com os políticos e as políticas tem sido mais que muita e, isso, tem levado os pensamentos dos cidadãos para alguma reminiscência sebastianista, que não augura nada de bom para a democracia, para a liberdade e para a felicidade dos cidadãos.
 Para se colocar um fim a este status quo que se instalou na política e nos políticos, os cidadãos precisam de parar de se queixar e agir. É preciso erguer e lutar perseverantemente para que, aqueles que tiverem a nobre missão de governar sejam os mais competentes, os mais honestos, os melhores entre os melhores, para assim se manter acesa a esperança num futuro melhor e mais risonho, principalmente para os vindouros. Assim esperamos!!!

2012/04/04

Feliz Páscoa


 Semana Santa, Páscoa tem um objectivo claro, a reflexão sobre a real importância da renovação espiritual, do renascimento da fé e esperança dentro do coração do homem. Numa época em que Páscoa se transformou em sinónimo de chocolate e coelhinho, é de grande importância manter as tradições e compartilhar com os jovens, adolescentes e crianças sobre o que é a Páscoa, qual o verdadeiro significado dessa data tão especial. Domingo de Páscoa é uma data muito singular, pesquisas indicam que a grande maioria das pessoas não sabem exactamente o que é a Páscoa, pois bem, um resumo rápido: Jesus nasceu em Belém, cresceu e propagou a palavra da salvação, foi incompreendido por seus contemporâneos e acusado de blasfémia, como não podiam contestar seus ensinamentos resolveram leva-lo a cruz, ali morreu e ressuscitou ao terceiro dia, na Páscoa, onde trouxe sua mensagem de paz e amor renovada. Agora que tudo ficou simples, que tal viver a Páscoa e não apenas comemorá-la. Pare o que você está fazendo, feche seus olhos e por alguns minutos visualize todas as pessoas que você gostaria de encontrar no domingo de Páscoa, mentalize um abraço, uma mesa farta e muita confraternização, você está projectando o futuro, acredite e deixe o universo conspirar a seu favor e faça dessa Páscoa um momento de renovação total. Tempo de meditar, de buscar, de agradecer, de plantar a paz. Tempo de oração. Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos e de ser mais irmão. Tempo de recomeçar. Tempo de concessão, de compromisso, de salvação. Tempo de perdão. Tempo de libertar, de libertação, de passagem, de passar... Para onde. Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna. Tempo de Ressurreição. A Páscoa traz a possibilidade de redenção dos pecados e dos erros, do Homem, por meio da ressurreição interior com mudanças efectivas em nosso modo de viver, a ressurreição interior. É ser capaz de mudar, é partilhar a vida na esperança é lutar para vencer toda sorte de sofrimento. É ajudar mais gente a ser gente é viver em constante libertação é crer na vida que vence a morte. É dizer sim ao amor e à vida é investir na fraternidade é lutar por um mundo melhor é vivenciar a solidariedade. 
É renascimento é recomeço é uma nova chance para melhorarmos as coisas que não gostamos em nós, para sermos mais felizes por conhecermos a nós mesmos mais um pouquinho e vermos que hoje, somos melhores do que fomos ontem. Desde que eu conheço e que o Mundo é Mundo sempre ouvi os mesmos conselhos, mas ninguém muda, porque não respeitam o próximo.

Os dias actuais da nossa sociedade

Nos dias actuais e a nível das nossas convivências e participações, a sua projecção tornou-se para muitos egocêntrica com os interesses pessoais em detrimento dos alheios, e todos temos uma cota de responsabilidade para tal modelo de sociedade criada. Criámos e pactuamos e parte com uma sociedade já bem visível por cá em que o que mais vale é possuir a casa num local que seja evidente ao olhar de todos, diferente das outras, o carro que anda pelas modas dos Jet-Set do local, roupa de marca, todavia faltando-nos o essencial. Fazer uma introspecção a nós próprios e identificar-mos o que é na realidade importante para nós. O nosso ritual de vida tem de ser espontâneo e de modo algum uma exibição ou aparência teatral. Já cá na freguesia, da minha Aldeia  Lugar da Relva de Monteiras,  observamos cada vez mais um aumento do número de famílias com um só filho, mais divórcios, e o ensino dos valores e sacrifício deixa de ter ênfase. 
Todos somos responsáveis por estes modelos família e sociedade, abstraindo-nos por completo, que só temos uma vida, e é nela que temos de mostrar a nossa utilidade na comunidade duma forma simples e espontânea e não com exibicionismos e importâncias. Logo que somos afastados das nossas mães pelo cordão umbilical, o tempo da nossa vida passa, passa... com uma rápida contagem decrescente, e... quando nos apercebemos estamos velhinhos.  É este o tema de hoje. A influência dos pais no comportamento, valores e estilo de vida dos nossos filhos. Ainda como crianças lactentes vejo  extremos contrastantes nos jovens pais: superprotecção ao bebé com roupas e roupas já de marca, alimentação lactente da mais cara e tantas vezes a menos indicada e quando chegam ao ano, chocolates, iogurtes super-açucarados para os calar, e alimentação de lata, só por que é mais rápida e mais chique...É o modelo de vida que muitos pais constroem, trazendo a curto prazo consequências graves como a obesidade e a hiperactividade, e mais tarde graves perturbações nas gerações futuras: falta de valores, regras familiares e sociais, a falta de identidade...Anos depois, após esta super-protecção errada, fico realmente estupefacto, com a novo postura dos pais: pela escassez de tempo com a profissão e convívio entre amigos adoptam uma óptima solução e fácil: educar a criança com as degradantes, incultas e descaracterizadas novelas da Televisão, e mal menor...tentando mantê-las com o horário mais alargado na Escola.É verdade, coitadinhas crianças, tão puras, espontâneas e desejosas de aprender e participar os pais encobrem  na Televisão e Escola o encargo de educar os nossos  filhos. 
 Concertesa que assim sendo têm mais tempo para a profissão, para os amigos, e para gozarem, libertando-se dos irrequietos filhos. A transmissão da educação, das regras familiares e sociais, ou seja dos valores passa a ser delegada pela TV deformadora e por outros, tantas vezes desconhecidos. Não é para se admirarem, quando um dia mais tarde sofrem de surpresas e desilusões, pagando um amargo preço pela educação errada (a falta da quarta classe) prestada. A escola é fundamental, para ensinar e oferecer conhecimentos, mas num outro sentido da família, que é a única instituição que transmite os valores culturais e desportivos, que a criança futuramente irá adotar como modelo. A escola nunca será a responsável por uma educação deficiente da criança, mas sim os Pais. Consequentemente o nome de Pais compromete-os. Ser Pai é um dom natural e não um incómodo. Por isso mesmo a criança nasceu por que os Pais decidiram, e portanto têm a responsabilidade de a acompanhar sempre.  A moda da Televisão e jogos de computador são a fuga e a estratégia de muitos  Pais; a criança de ouvidos e olhos atentos, bem sossegadinha não incomoda. Mas onde estão as histórias e as leituras? Os convívios com os adultos e as outras crianças? E elas não têm que ser ouvidas também? Não têm histórias do quotidiano para contar? não têm os seus problemas?Como está a nossa sociedade. Levantar cedo a criança, já ao ritmo de stress; como não há tempo para o pequeno almoço, dois iogurtes líquidos carregados de açúcar; depois despachá-la na escola; trabalhar, conviver com os amigos, e o mais tarde possível quando a escola fechar, recolher o filho e ir então para o sofá ver a telenovela até adormecer, porque não tem de se levantar cedo para trabalhar, como no meu tempo.
Onde estão as conversas em família, as brincadeiras com o filho, a leitura dum livro infantil, ao colo dos Pais, o levá-lo a passear ao Jardim Infantil, jogo das cartas, no final de uma fornalha de pão etc, onde anda essa convivência. A educação, os valores da família e sociedade devem ser sempre preservados e transmitidos, por que senão vamos ter uma sociedade decadente, doente e incapaz de sobreviver. As nossa aldeias cada vez mais desertas. 

2012/03/11

Extinções das freguesias

Seria irrisório da minha parte não concordar com a extinção de algumas freguesias. Onde eu não concordo e nos limites de mandatos dos executivos. Entendo sim que os executivos devem ser responsabilizados, judicialmente pelos quatro (4/6) anos de mandato. Quantas são as juntas de freguesias que gastam dinheiros públicos e não criam postos de trabalho, sendo que o interior do País tem muito que fazer, desde limpar os Rios, florestas, estradas etc. Pois ao fazerem isto eliminam os que sabem trabalhar e vão para lá os que nada sabem e nada fizeram.Apesar desta designação, o que a Proposta de Lei visa, substancialmente, é a redução do número de Freguesias.
(A ANAFRE tinha a expectativa de que a Proposta de Lei contemplasse os princípios que sempre defendeu a auscultação das populações, através da audição dos seus representantes – os Eleitos de Freguesia – e o respeito pela vontade dos cidadãos, livre e localmente de s poderem manifestar). Anafre pode ter defendido os princípios, que argumenta, mas a verdade e que quem é ouvidos são, os autarcas e não a população. Prova disto é que sendo eu voluntario e responsável por algumas associações nunca ninguém foi ouviu.
Na CONCLUSÕES DO XIII CONGRESSO, o Conselho Directivo da ANAFRE, tendo em desenvolvimento um conjunto de audiências com os Grupos Parlamentares, Partidos Políticos com representação parlamentar e Governo, decidiu promover um magno ENCONTRO NACIONAL DE FREGUESIAS.
VOZ ÀS FREGUESIAS! Sim e concordo, sempre o que terá feito?
A HORA É DE AFIRMAÇÃO! Sim e não a corrupção?
O DEBATE PERTENCE A TODOS! Sim, mas não é o que tem acontecido, uma democracia sem ideias?
A SUA FREGUESIA PRECISA DE SI: AGORA! Sempre precisou, porque só agora se lembram disso, já o que fizeram aos dinheiros que receberam, do orçamento geral do Estado, criaram empregos? (o que tem feito) para que serve muitas das freguesias, para viverem a seu belo prazer, e nós os contribuintes, PAGAMOS!
ELAS CONTAM CONSIGO! Só se lembraram disso agora? Presidentes e gestores públicos com ordenados elevadíssimos com prejuízos para o País, que agora se encontra na salvação nacional.
A ANAFRE TAMBÉM! O que fizeram durante estes 35 anos, de democracia, pelas freguesias, que andam hoje andam ao Deus dará? (será que o Ministro Manuel Relvas tem razão) Promoveram o que? Pessoas incompetentes? Só estão a dar razão ao  secretário-geral do PS onde ele diz, se vier a ser 1º ministro vai apoiar e promover a regionalização.

2012/03/01

Festa de Carnaval Lisboa /Abrantes 2012

E já que estamos a falar de facilidades, podemos perceber mais ou menos o que é cultura e o que não é tendo em conta que a cultura é o que ajuda as pessoas a identificarem-se como parte de um ou outro grupo da sociedade. associativismo é uma forma de organização da sociedade civil, na qual os cidadãos se agrupam em trono de interesses comuns com objectivos de entre ajuda e cooperação sem fins lucrativos. A definição de cultura não é uma realidade pacífica. Não só varia consoante falamos em termos antropológicos ou humanísticos, como também se refere a realidades diferentes e abstractas.Esta e outras, associação de moradores têm vindo a realizar eventos desportivos e culturais. Desde a sua criação sendo que nem sempre são bem vistas por algumas pessoas ou entidades, onde eles reconhecem o mérito mas não passam dai. Não é o que é feito, mas sim o modo como se pensa fazer - a mentalidade por detrás das nossas acções.
 Vejamos o que eles pedem uma vez mais...
 
                                                                    
Aqui também concordamos com algumas normas para a Habitação, sendo que em alguns casos devíamos ser mais arrojados. Indo ao ponto de quem estraga pagar. E quem não paga descontar nos apoios e nos Ordenados. Como é do conhecimento de V. Exas., o Regulamento do Conselho Municipal de Habitação — aprovado pela Assembleia Municipal de Lisboa e publicado no 1º suplemento ao Boletim Municipal nº 930 de 15 de Dezembro de 2011 — no nº 2 do artigo 15º, refere que a designação dos representantes das organizações de moradores, com assento neste Conselho Municipal, será feita de acordo com proposta a aprovar em reunião da Câmara Municipal, ouvidas as organizações representadas. Assim, com vista a instalar este Conselho Municipal e no seguimento do deliberado nas reuniões preparatórias dos dias 6 e 7 de Fevereiro, decorridas na Sala do Arquivo dos Paços do Conselho, e dos respectivos representantes designados, mais uma vez estamos de acordo. E daqui para a frente, que será ouvido, penso eu como no passado, as associações locais seram ignoradas…  
A definição de cultura não é uma realidade pacífica. Infelizmente, tenho uma noção como vou tentar simplificar, podemos dizer que a cultura é o conjunto de elementos que uma pessoa aprende ao longo da sua vida. Estes elementos variam desde a língua à religião, passando pela arte e pelo modo de ver ou seja, todos os padrões de comportamento que uma pessoa aprende. Não pensem, no entanto, que uma pessoa partilha exactamente a mesma cultura do seu vizinho até ao mais pequeno detalhe! Por exemplo, comer coiratos (pele de porco raspada depois de se queimar o pêlo) assados acompanhados de vinho tinto faz parte da cultura portuguesa, mas nem todos os portugueses comem coiratos - por causa da religião, modo de vida, gostos pessoais, etc.  Por vezes estas distinções no modo de vida podem, inclusivamente, ser agrupadas em zonas:costumes
"próprios da cidade" e outros "próprios do campo", por exemplo. Assim, fala-se muitas vezes de áreas culturais: zonas extensas que, à parte certos particularismos culturais, partilham alguns elementos culturais como a língua, sociedade, escrita, modos de produção, etc.  Uma das grandes dificuldades em definir o que é exactamente a cultura, advém do facto da cultura não ser algo palpável, mas sim uma ideia. Não é o que é feito, mas sim o modo como se pensa fazer - a mentalidade por detrás das nossas acções. A cultura é o produto do pensamento do Homem.  Vejamos um exemplo: uma escultura não é cultura, mas sim um resultado da cultura. Se a escultura demonstrar o sofrimento causado pela Segunda Guerra Mundial, as pessoas vão sentir-se tocadas e compreender o desejo de paz transmitido pela escultura - pois faz parte da nossa cultura o sentimento de horror às atrocidades cometidas naquela guerra. No entanto, se for uma escultura (feita por alguém pertencente à cultura  a incentivar à guerra pelo simples desejo de lutar, então as pessoas vão sentir-se ofendidas pois este é um princípio contrário à nossa cultura actual - apesar de, na cultura este poder ser um princípio aceite como marca de coragem. Assim, uma peça de arte, feita com uma mensagem numa cultura, pode ser entendida de modo contrário por pessoas que partilhem uma outra cultura. 
Mas bom, dizem-me agora, se a cultura é tão difícil de definir e tão abstracta, como é que pode ser criada para dar credibilidade aos povos do Criador? Para começar, é preciso não esquecer que o objectivo específico da nossa tarefa. Ou seja, a cultura vai ser o resultado das escolhas que o Homem faz para organizar a sua vida face ao que o rodeia.Para terminar, é preciso recordar que a cultura não é um amontoado de valores, ideias e instituições que podem ser separados e atirados cada qual para a sua categoria, mas um sistema complexo de elementos coordenados e perfeitamente integrados.